O MUNDO E EU

AS MIL CORES DO BRASIL - MESTRE WILLI CESAR DE CARVALHO

São 15 livros, inúmeras revistas, jornais, obras em cenários de novelas. Possui colecionadores em várias partes do mundo. Era algo que ele realmente não conseguia conter. Desde pequeno, com a cabeça nas estrelas, sua mãe, Dona Édila, repetia “esse menino gosta mesmo é de inventar moda”. Seu pai Joãozinho observava ele, que durante o dia pegava espanador, copos, garfos, de tudo um pouco e montava suas primeiras esculturas. Sua mãe guardou cuidadosamente várias de suas criações, hoje, cheias de detalhes. As pequenas cenas e miniaturas ganharam colecionadores e admiradores. Willi de Carvalho com caixinhas, palitos, retalhos, matérias descartadas, todas as cores possíveis, pontinhos delicados, símbolos de suas histórias que formam com genialidade a história da arte Brasileira.

Foto arquivo pessoal
Willi de Carvalho, em uma de suas exposições 2017

O processo criativo de Willi de Carvalho é especial e particular. Ele imagina exatamente como uma criança que deixa fluir o que viu e amou, tudo é colorido. “As cores são partes fundamentais de cada obra, porque elas são partículas de emoção para mim, parte da emoção que guardei e me emocionei. Tenho como cor preferida o amarelo”, confidenciou Willi de Carvalho.

A ciência, com os avanços de estudos da neurociência, explicam que o conceito de criação está ligado ao ato de preservar as memórias. Assim são as pessoas criativas. Não abandonam suas histórias pessoais em um mundo de descarte. Milhares de pessoas são personagem de si próprias e representam outras pessoas, daí não conseguem encontrar o fio condutor de seu processo criativo pessoal.

Muito tímido e também muito curioso, o artista adquiriu o hábito de levar caderninhos para onde ia. Ao invés de perguntar, ele escrevia e desenhava, anotava até a música que ouvia para não esquecer. Quando abria seu um relicário precioso, não tinha apenas lembretes, mas sim segredos que via e armazenava dentro da alma.

Fotos arquivo pessoal

Sempre gostou das festas populares de cunho religiosa. Era fé misturada com campos, gente simples, as crianças; era gente que ri e chora, ama e odeia ali misturado com santos, anjos, reis e rainhas. Ele não via apenas, mas sentia a alma das coisas, o encantamento de um lugar chamado Brasil.

A glamorização de tudo engoliu cidades e pessoas, apagou cantigas e costumes e muitos lutam para reascender as tradições. Willi de Carvalho permitiu que suas memórias formassem um conjunto rico, que lhe rendeu várias exposições nacionais e internacionais. Ele, um dos representantes da Bienal de Art Naif do Brasil, Arte Brasileira Internacional e em função de sua dedicação, recebeu, em 2016, menção honrosa pela temática ‘festas populares brasileiras’ e preservação da cultura e manutenção da história.

Fotos arquivo pessoal

Quando ele escolhe o símbolo para trabalhar um tema, como por exemplo uma Coroa de Rei de Congado, ele cria uma festa que acontece na própria coroa. Esta ressignificação de objetos não é apenas semiótica é também o transpor sentimentos.

“Eu dou a minha contribuição através de minha arte. Amo trabalhar festas religiosas, como folia de Reis, e as festas de minha terra Montes Claros. Curiosamente descobri a arte quando fazia cenário para teatro. Antes fazia a cena em miniatura e foi então que entendi que eu gostava era dessa parte. É o encanto da grandeza em coisas minúsculas. Ao longo de minha carreira aprendi a moldar muitos objetos com minha esposa, a artista Maria Clélia Lemos: fazia flores, arranjos, adereços, forrava sapatos para noivas e fazia sombrinhas do reinado de Montes Claros. Fiz estandartes (que ficaram nacionalmente conhecidos) e oficina de estandartes em Bruxelas, Bélgica. Maria Célia me ensinou muito”, contou Willi.

No ano de 2019, o carnavalesco da Escola União da Ilha do Governador ligou para dizer que sua obra inspirou toda uma ala, pois o tema daquele ano seriam a cultura do Ceará. Ele poderia desenhar uma obra gigantesca que viria a ser um carro alegórico. Assim, nasce de suas mãos mais uma vez uma festa religiosa, uma de suas mais incríveis criações. O croqui ficou pronto em duas semanas: “A PROCISSÃO MARÍTIMA DE SÃO PEDRO”, uma homenagem as procissões religiosas do Ceará que reúnem milhares de fieis todos os anos.

Ele pesquisou e buscou em suas anotações, local que encontrou seus preciosos elementos de trabalho, como as bandeirolas das festas de interior, as sereias, o boto cor de rosa, os cactos Mandacaru  do sertão, os pescadores, a chita e os milhares de pontinhos que são marca de seu trabalho. Sua memória afetiva foi muito importante.

“Fiquei emocionadíssimo. Fui o personagem de minha obra. Estava comungando com minha existência e tudo que constrói meu trabalho. Eu, artista, que comecei com miniatura, ali no barracão da escola. Quando vi pela primeira vez um gigantesco carro alegórico, Deus me deu um momento inesquecível e divino de presente por 3 décadas de muita dedicação, vitórias e dificuldades. Quando entramos na avenida, um sentimento de gratidão me invadiu: pessoas que me ajudaram, meus amigos, minha mãe que sempre me incentivou, minha família e irmãos, mas também os Santos que adoro moldar. Agradeci à padroeira das festas de agosto em minha terra, Nossa Senhora do Rosário, de que não foi em vão. Uma sensação de missão comprida”, contou o artista.

Fotos arquivo pessoal

Willi não faz somente obras ligadas a fé. Ele gosta mesmo é de inventar. Fez centenas de favelas lindas. “Para mim, favela é símbolo de resistência, um macro organismo, cada barraco como um presépio o compartilhar de uma esperança. Morros me fascinam”, diz. Sua primeira favela foi adquirida por aquele que se transformou em um dos seus maiores colecionadores. Mestre Willi faz circos, pinta Santos lindos e tem fascínio por Chica da Silva. Roberto Rudiero, dono da Galeria Brasiliana, homem inteligente, possuidor de olhar apurado e muito culto, disse para Willi “sua arte não é artesanal”.

A hora da mudança aconteceu quando suas obras foram para revistas de bordo de várias companhias e revistas de decoração. “Antes de conhecê-lo, minhas obras custavam de 25 a 80 reais. Em 2014, fiz a série coleção erótica intitulada “O prazer é nosso”, que foi para a Galeria Lafaiete em Paris. A coleção foi toda vendida em 4 dias”, se anima o artista.

Foto arquivo pessoal

Sua história de vida esteve em dois documentários: um com nome bem familiar – “Invenções da alma” -, que mostrou a doçura desse homem que passava horas a fio em seu atelier, desse menino que não queria crescer e descobriu seu caminho, graças a arte no brincar; o outro “O céu de lá” , que mostrou a importância do imaginar.

A vida com suas surpresas nos ensina o tempo todo. Quem diria que há quase 30 anos o artista Hélio Leites, performista de Curitiba, ao encomendar uma veste com caixinhas de histórias coladas, ascenderia a chama em Willi. O menino inventador de histórias, como diria sua mãezinha, ao pegar uma caixinha de fósforo criaria a exposição “Chama que eu bordo”. E foi isso que aconteceu: são mais de 90 bordadeiras e bordadeiros do Brasil e da França, criando trabalhos lindos neste objeto que recorremos todos os dias para tarefas simples, porém fundamentais.

Foto arquivo pessoal
Rolar para cima