Mitos e verdades sobre ar Condicionado

Com a chegada da estação mais quente do ano, cresce a procura por sistemas de ventilação e climatização capazes de reduzir os efeitos do calor. Mas muita gente ainda tem dúvidas sobre funcionamento, consumo e instalação correta destes equipamentos. Consultamos duas empresas do setor para esclarecer os mitos e verdades que rondam este assunto

Embora pareça algo simples e convidativo, comprar um equipamento de ar condicionado não é tão simples como comprar uma televisão ou uma geladeira. Trata-se de um sistema que necessita de uma consultoria especializada, além de uma equipe técnica capacitada para a sua correta instalação. É bastante comum por parte das empresas especializadas, atenderem clientes com projetos superdimensionados, ou seja, com mais equipamentos ou capacidade maior que a necessária, gerando sistemas que exigirão um alto consumo de energia. E neste caso, o vilão definitivamente não é o ar condicionado, mas sim a escolha errada dos equipamentos ou a forma como foram instalados. Na hora de comprar esse tipo de equipamento é preciso ter muita atenção. Nem sempre os mais baratos significam ser mais econômicos. E só um profissional da área pode auxiliar com a assessoria necessária. De acordo com Danielle Ramos, da Ecotemp, a escolha errada de um equipamento pode fazer com que a conta de energia fique mais cara ao longo dos anos. “É uma economia que definitivamente não valerá a pena”, relata.

Gustavo Xavier
No projeto desta loja, realizado pela Ecotemp, a solução foi a instalação de um sistema Cassete, que pode ser acionado até pelo celular

Embora seja um equipamento bastante utilizado em todo o Brasil, é possível constatar que existem muitos mitos em torno do ar condicionado. O primeiro deles é com relação aos filtros de ar do equipamento, que precisam ser trocados com frequência. Muita gente acredita que basta instalar o aparelho e aproveitar, mas de tempos em tempos, conforme a utilização, é necessário efetuar a troca do filtro pois é ele que retém toda a sujeira, poeira e outras partículas que poderiam ser dissipadas pelo ambiente climatizado. A troca do filtro com a frequência é uma recomendação dos fabricantes e contribui inclusive para reduzir o consumo excessivo de energia durante o uso. Sandra Botrel, engenheira mecânica e diretora da Protherm Projetos Termo Acústicos Ltda. explica: “O principal alerta gerado pelo Coronavirus é uma maior conscientização do público “comum”, não técnico, quanto a preocupação da filtragem e renovação do ar. Os profissionais do segmento e de conhecimento técnico sempre tiveram essa preocupação com estes elementos que, inclusive, são padrões em instalações de consultórios médicos, por exemplo. A pandemia jogou uma luz sobre essa questão que leva a conscientização dos clientes e maior interesse em uma manutenção preventiva dos equipamentos de climatização.”

Arquivo pessoal
Sandra Botrel, engenheira mecânica e diretora da Protherm Projetos Termo Acústicos Ltda.

Muita gente pensa que o equipamento só precisa de manutenção caso venha a apresentar algum problema, mas esses aparelhos precisam passar por revisão de um profissional pelo menos uma vez ao ano. Desta forma, o cliente pode ser alertado sobre o desgaste de peças ou outros problemas, quando ainda é mais fácil e barato para consertar. O ideal é que a revisão acontece sempre antes do período de grande utilização do aparelho.

Muita gente pensa que o equipamento só precisa de manutenção caso venha a apresentar algum problema, mas esses aparelhos precisam passar por revisão de um profissional pelo menos uma vez ao ano. Desta forma, o cliente pode ser alertado sobre o desgaste de peças ou outros problemas, quando ainda é mais fácil e barato para consertar. O ideal é que a revisão acontece sempre antes do período de grande utilização do aparelho.

Daniel Mansur

Este Home Theater de Estela Neto utilizou o sistema built-in. As saídas de ar são quase imperceptíveis 

Outro erro comum é que muita gente chega a acreditar é que quanto maior a unidade de ar condicionado ou a potência do equipamento, melhor ele será. O tamanho do seu ar condicionado é realmente importante, mas o mais importante é encontrar uma unidade com o número de BTUs adequado para o espaço que pretende climatizar. A capacidade de resfriamento de um ar condicionado superdimensionado seria simplesmente anulada pela energia que ele usa. Além disso, os condicionadores de ar de tamanho inadequado tendem a circular com mais frequência, levando a um desgaste mais rápido.

Com relação ao consumo, Sandra Botrel explica que a maior parte dos excessos na conta de luz é consequência de erros na utilização do equipamento. “Em relação ao custo operacional, o consumo do ar condicionado em um ambiente que anteriormente não havia realmente passa por uma mudança expressiva. Porém, atualmente, temos tecnologias que contabilizam e controlam esse gasto para uma forma mais consciente. Um ponto crucial é que, muitas vezes, as pessoas querem transformar o ar condicionado em uma câmara frigorífica, programando seus equipamentos em temperaturas superbaixas. A cada grau inferior, maior será o consumo de energia. O que as pessoas ignoram é que o conforto em casa é o ponto de equilíbrio na temperatura, nem muito ameno, nem muito quente. Não devemos sentir frio, nem calor quando estamos confortáveis. A temperatura média de conforto é por volta de 24 graus com 50% de umidade relativa. A maioria dos usuários utiliza do ar condicionado em 21 graus, o que exige da máquina um gasto elétrico desnecessário. Mesmo que com tecnologias de controle, desligamento automático e programado, dentre outras alternativas de redução de consumo, o principal ponto desta relação segue sendo o erro humano como, por exemplo, deixar o ar ligado quando não há nenhuma pessoa utilizando o espaço. Esse tipo de comportamento chega a ser considerado uma falha operacional e que precisa ser revisto”, finaliza a especialista.

O fato é que, ainda hoje, muitos arquitetos possuem resistência em incluir o ar condicionado em seus ambientes, seja pela estética do aparelho ou pelas alterações no projeto arquitetônico uma vez que, dependendo do modelo escolhido, é preciso uma série de ajustes no layout do projeto. Em contrapartida, é grande o movimento de clientes que demandam este tipo de serviço, principalmente num país tropical como o Brasil. Em cidades litorâneas por exemplo é que estão localizadas as maiores concentrações de aparelhos, mas é importante lembrarmos que também existem as versões com ciclo reverso, ou seja, podem ser utilizados também no inverno já que fazem a função de aquecimento do ar.

Fotos: Daniel Mansur

Neste Living, de Estela Neto para a CASACOR Minas 2019, a opção foi o sistema VRF da Trane com evaporadoras built-in e insuflamento por difusor linear

Rolar para cima