PROJETOS URBANOS

As cidades Inteligentes já são realidade no Brasil

Você com certeza já deve ter ouvido falar sobre smart cities, as chamadas cidades inteligentes. Mas afinal, o que vem a ser uma cidade inteligente? Diferente do que muita gente pensa, o conceito vai muito além do que uma cidade simplesmente dotada de recursos tecnológicos dignos de filmes que se passam sempre num futuro muito distante. Uma cidade pode e deve ser considerada inteligente quando ela é construída ou até mesmo adaptada posteriormente para abrigar seus moradores de forma plena, ou seja, oferecendo uma infraestrutura de alto padrão, acessibilidade, segurança, inovações, além de projetos urbanos dignos, colocando sempre o meio-ambiente e as pessoas em primeiro lugar. Tudo isso com o objetivo de garantir o bem-estar e a qualidade de vida dos moradores. A tecnologia deve sim estar presente, mas precisa ser pensada como meio e não como fim. E você deve estar se perguntando: e essa cidade existe? Sim. Já é possível contabilizar um bom número delas espalhadas pelo mundo, inclusive no Brasil. Aliás, uma multinacional com sede em Londres e uma base no Brasil foi ainda mais longe neste conceito e lançou por aqui a primeira cidade inteligente inclusiva do mundo. A ideia é oferecer tudo que uma cidade precisa ter para ser considerada uma smart city, mas com o diferencial de ser concebida para os públicos de toda as classes sociais, oferecendo a mesma  infraestrutura de alto padrão, redes de serviços e segurança para todos os moradores. E é justamente isso que torna os projetos da Planet inclusivos, uma vez que possibilitam o compartilhamento de um espaço urbano desenvolvido para promover bem-estar e qualidade de vida a todos.  

Fotos: Divulgação

Smart City Laguna

Construídas pela Planet Smart City, fundada por dois empreendedores italianos,  Susanna Marchionni e Giovanni Savio, ambos com mais de 25 anos  de experiência no mercado imobiliário, a empresa já lançou alguns empreendimentos muito bem-sucedidos por aqui, entre eles estão a Smart City Laguna, considerada a primeira Cidade Inteligente Inclusiva do mundo, projetada para receber 25 mil pessoas, e localizada em uma área de 300 hectares em São Gonçalo do Amarante, a 55 km de Fortaleza, no Ceará. Outro empreendimento da empresa é a Smart City Aquiraz, localizada a 20 km de Fortaleza e próximo das mais belas praias da região. Já a Smart City Natal, também segue a mesma proposta e ocupa uma área de 170 hectares, no Rio Grande do Norte, comportando cerca de 16 mil pessoas. Em São Paulo, o grupo está investindo na criação de condomínios verticais, classificados sob a assinatura Viva!Smart, em parceria com a Inloop. O primeiro deles está localizado no bairro Bela Vista, teve 100% das 240 unidades vendidas antes do lançamento. Em seguida  veio o Viva!Smart Freguesia, que está em fase de vendas. Os próximos lançamentos previstos serão em Itaquera e Jabaquara, ambos na capital paulista, além de mais uma cidade inteligente em Camaçari, na Bahia, a 50 km de Salvador. Fora do Brasil, a empresa possui projetos de revitalizações e operações com as soluções smart na Itália, todos em Milão, além de outros 2 na Índia, desenvolvidos em parceria com a Kolte Patil, na região de Hinjewad.

Foto: Divulgação

Sussana Marchionni, CEO da Planet Smart no Brasil

De acordo com uma das fundadoras e CEO do grupo no Brasil, Susanna Marchionni, cerca de 300 milhões de famílias no mundo vivem em habitações totalmente inadequadas. E sabemos que no Brasil essa realidade atinge uma grande parcela da população. “Todos os anos, milhões de habitações acessíveis são construídas em todo o mundo, porém na maioria das vezes, falamos em habitações muito simples, sem um contexto de infraestrutura ou serviços para os residentes”, destaca Andrea Orsi, diretora de Marketing do grupo no Brasil.

Conceito dos projetos

O principal diferencial de uma cidade inteligente está no projeto urbanístico e arquitetônico. Por se tratar de um espaço construído de forma inteiramente planejada, é necessário a participação de uma equipe multidisciplinar, formada por profissionais de diversas áreas, garantindo que todas as necessidades sócio-ambientais estejam contempladas com o projeto, que à primeira vista surpreende pela qualidade e pela forma como oferece ferramentas voltadas para estimular a vida em comunidade, recuperando antigos valores que foram perdidos com o crescimento dos grandes centros urbanos.

O grande diferencial de uma smart city não está em apenas um único quesito, mas no todo. A segurança é obviamente um dos mais bem avaliados, mas não pode ser analisado de forma isolada uma vez que ele é resultado de uma série de outras ações. Nas áreas residenciais por exemplo, a escolha foi pelas ruas no formato “cul-de-sac”, ou seja, sem saída. Elas garantem uma interferência mínima no tráfego perto das casas, resultando em menos fluxo e mais segurança para os moradores uma vez que inviabiliza fugas. Entre outros pontos que merecem destaque estão a escolha de iluminação pública inteligente com lâmpadas em led de baixo consumo, pavimentação drenante, uso de plantas nativas nos projetos paisagísticos, criação de micro-habitats preservação da fauna local, construção de hortas urbanas, viveiro de mudas, sistemas inteligente de irrigação das hortas, bicicletas compartilhadas, criação de academia ao ar livre e áreas voltadas para prática de exercícios.

Fotos: Divulgação

Ao optar por viver em uma smart city, o comprador pode escolher entre comprar apenas o lote para construir quando quiser ou então pode receber a casa inteiramente pronta para morar, escolhida a partir de alguns modelos disponibilizados para o projeto, que são construções de alto padrão, mas comercializadas a valores acessíveis. Tanto que estão aptas para serem comercializadas dentro do programa Minha Casa, Minha Vida, do Governo Federal.

“Um dos maiores sonhos do brasileiro é o da casa própria, é o de ter um lugar para a família, um lugar para se sentir seguro e ser feliz e é aí que entramos. Não nos contentamos em construir casas a preços acessíveis: queremos realizar sonhos! Sonhos de uma vida mais plena, integrada, mais feliz. Nossas casas têm valores acessíveis e estão ao alcance de todos, mas as casas que construímos têm qualidade, são lindas, inovadoras, bem planejadas e bem construídas. No futuro, as pessoas não irão comprar somente uma casa, mas sim todos os serviços ao seu redor. Nós estamos antecipando esta tendência que antes estava ao alcance somente de poucos”, emenda Susanna, a CEO da Planet no Brasil.

Além de unidades residenciais, cada cidade ainda possui uma área destinada aos projetos comerciais, abrigando fornecedores de produtos e serviços para os moradores. Uma vez dentro de uma cidade inteligente, os moradores têm acesso a dezenas de comodidades e funcionalidades, além de uma completa infraestrutura inteiramente pensada para o coletivo. A principal diferença entre uma cidade inteligente e um condomínio fechado é que a primeira não possui portaria, muros e outros sistemas que possam coibir a entrada de outras pessoas. Isso mesmo, qualquer pessoa pode ser acesso e usufruir de uma série de benefícios de uma smart city.  A começar pelas áreas comuns, as cidades inteligentes contam logo na entrada com um hub de inovação, projetados pelo centro de competência da empresa na Itália. Este espaço compartilhado conta com wi-fi grátis e é aberto tanto a moradores quanto a pessoas da região. A proposta do local é ser um espaço híbrido, voltado para experimentações e aprendizado coletivo. O local também abriga biblioteca, uma biblioteca de objetos de uso comum como furadeiras e outras ferramentas, cinema, laboratório de costura, coworking, além das atividades gratuitas do Instituto Planet como aulas de inglês, ateliê de costura artesanato, empreendedorismo e tecnologia, além de eventos organizados pelos próprios moradores. Os pontos de ônibus também contam com sinal de wi-fi liberados e bancos dotados com saídas usb para carregamento de celulares e equipamentos eletrônicos. Os moradores acompanham todo o funcionamento da cidade por meio de um app, onde recebem inclusive o sinal das câmeras de monitoramento, garantindo a segurança. Também podem consultar eventos e atividades, comprar e vender produtos e serviços, estimulando a economia local, além de acompanhar notícias e reservar os espaços compartilhados como churrasqueiras, quadras de esportes etc. Outra funcionalidade interessante do aplicativo para os moradores é o sistema de carona comunitária, que permite que uma pessoa que esteja indo ou voltando para a cidade possa oferecer vagas para outras pessoas, contribuindo para reduzir custos e para o meio-ambiente. Por tudo isso, podemos afirmar que trata-se de um ecossistema altamente organizado, vivendo de forma independente, valorizando o coletivo e contribuindo para a relação homem-natureza.

Fotos: Divulgação

Smart City Aquiraz 

Smart City Aquiraz Casa Ártemis

Smart City Aquiraz Casa Íris

Smart City Aquiraz Casa Luna

Smart City Aquiraz Casa Nice

“Nas nossas smart cities, as pessoas estão ao centro de tudo e isso quer dizer que a infraestrutura é de alto padrão e é para todos, não existe diferença. Os serviços que oferecemos também estão à disposição de todos e são gratuitos: hub de inovação, cinema, biblioteca, academias ao ar livre, playgrounds. A segurança na smart city não é gerada por muros, mas por ações muito mais profundas que partem da inclusão social de toda a comunidade circunstante, até ruas sem saída que dificultam o tráfego de estranhos” destaca Andrea Orsi, diretora de Marketing da empresa.

Os lotes residenciais possuem a partir de 150m² e os comerciais a partir de 160m².  O processo de compra é simples e pode ser feito de forma 100% digital com pagamento em até 180 vezes direto com a construtora. No site da empresa é possível fazer uma visita virtual pelas cidades e conhecer os modelos e acabamentos das casas, que se destacam pela boa arquitetura e pelo design. “Esse é o nosso conceito: encantar as pessoas e vender algo que é possível, que está ao alcance de quem vê. Muitas pessoas acreditam que uma casa para ser linda tem que ser cara, tem que gastar muito para decorar e esse é o nosso desafio: provar que com bom gosto, planejamento, design e fantasia as casas podem ser fantásticas, superar qualquer expectativa sem gastar valores desproporcionais”, finaliza a CEO que faz de de se envolver com todos os detalhes de cada projeto.

Seguindo o feedback dos moradores, as smart cities parecem ser uma espécie de unanimidade tanto em vendas quanto em satisfação. Um dos relatos que chamam atenção nas redes sociais é de uma compradora que adquiriu uma casa à distância.  Vivendo atualmente na Holanda, ela efetuou a compra pela internet sem nunca ter visitado o stand de vendas e quando chegou ao Brasil um mês depois sua casa já estava sendo construída. Apesar de toda a expectativa, Debora de Brito está super satisfeita com a aquisição e já está sonhando com a entrega das chaves.  

Fotos: Divulgação

Viva!Smart Bela Vista, em São Paulo

“A gente que nasce na roça é muito discriminado por nascer ali. Nunca nos meus maiores sonhos eu imaginei estar numa cidade como essa. O que a Smart City proporciona para as pessoas, independente de você ter dinheiro ou não, é a possibilidade de estar no mesmo lugar, usufruindo de um mesmo patrimônio. Então é uma cidade para que realmente todas as pessoas possam viver, independente de situação financeira ou de qualquer outra coisa”, declara Claudenice Ferreira, fundadora do salão de beleza Caipira’s Fashion instalado na Smart City Laguna.

Diante de tudo isso, só podemos torcer para que as cidades inteligentes continuem se expandindo pelo país, possibilitando que cada vez mais pessoas possam ter acesso a moradias de qualidade pagando valores justos e vivendo em segurança e com qualidade de vida.

Rolar para cima