Casa do Lago, por Fernanda Villefort

O projeto desta edição é assinado pela arquiteta mineira Fernanda Villefort. Natural de Itaúna, na região centro-oeste do estado, ela comanda há 22 anos um escritório que carrega seu nome, assinando trabalhos em diversas cidades brasileiras.

Da ideia inicial até a finalização, passaram-se 3 anos. Um tempo considerado regular para a construção e decoração de uma casa deste porte. O cliente procurou a arquiteta com a ideia de construir uma casa para passar os finais de semana com a família, aproveitando tanto o interior quanto o exterior uma vez que o lote está localizado às margens de uma represa, em Itaúna. A proposta de Fernanda Villefort com o projeto foi de estabelecer uma conexão com a natureza, fazendo com o que moradores tivessem um contato permanente com a paisagem, que pode ser apreciada de praticamente todos os cômodos da casa, por diversos ângulos. A vista para o lago foi o ponto de partida e ele pode ser contemplado desde a entrada principal a partir de uma sequência de portas pivotantes, que se abrem descortinando a beleza do que está por vir. O resultado é uma casa construída como se fosse um grande mirante.

Fotos: Jomar Bragança

Para ampliar a vista e a sensação de bem-estar, grandes aberturas e muita transparência.

As linhas retas formam uma composição geométrica limpa e ao mesmo tempo bastante contemporânea, sem grandes intervenções no cenário natural local.

Fotos: Jomar Bragança

Outro ponto importante explorado no projeto foi a setorização precisa das áreas sociais e íntimas, que foram muito bem preservadas uma vez que os proprietários gostam de receber amigos e familiares para curtir o final de semana juntos.

O projeto busca a flexibilidade e a integração dos espaços, fazendo com que a casa tenha várias configurações. Para isso, Fernanda Villefort optou pelo uso de painéis e porta camufladas, permitindo um acabamento muito elegante e sofisticado.

Fotos: Jomar Bragança

Perguntada sobre o maior desafio deste projeto, Fernanda aponta: “Sem dúvida foi alcançar a funcionalidade dos espaços sem perder de vista essa integração com a natureza e com a paisagem”.

Rolar para cima